Reunião de conselho ambiental pode autorizar início das obras do estádio do Atlético

Licença de Implantação é o único documento restante para liberar o início das obras para erguer a Arena MRV.

Reunião de conselho ambiental pode autorizar início das obras do estádio do Atlético
Com capacidade para 47.000 torcedores, a Arena MRV está prevista para ser entregue em 2022 – Foto: Divulgação/Arena MRV
Notice: Undefined variable: post_id in /srv/www/htdocs/homologacao.defatoonline.com.br/wp-content/themes/defato/functions.php on line 712

O Conselho Municipal de Meio Ambiente de Belo Horizonte vai apreciar, na próxima sexta-feira (20), o pedido de Licença de Implantação da Arena MRV, estádio do Atlético que será erguido na região noroeste da capital, no bairro Califórnia. O documento é o único restante para ser aprovado e, caso seja, autoriza o início das obras no terreno.

A Licença de Implantação do estádio será o primeiro projeto a ser votado na sessão da sexta-feira e, para ser aprovada, precisa da maioria simples de votos – oito de 15 possíveis entre os conselheiros que irão votar. Serão sete conselheiros da base do governo e oito de organizações não-governamentais e outras associações.

O conteúdo continua após o anúncio

Há praticamente dois anos o Atlético se movimenta juridicamente para iniciar a construção do estádio. A necessidade de apresentar diversas condicionantes ambientais, medidas compensatórias e outros documentos no decorrer deste período atrasou o prazo inicial de entrega da arena, que foi prorrogado para 2022.

O terreno em que será erguida a Arena MRV está localizado no bairro Califórnia, região noroeste de Belo Horizonte – Foto: Atlético/Divulgação.

Como já divulgado pelo próprio clube e pelos perfis da Arena MRV nas redes sociais, o novo estádio do Atlético, que terá capacidade para 47.000 torcedores, custará R$ 420 milhões – valor reajustado em relação ao custo inicial de R$ 410 milhões.

Para custear este valor, o Atlético vendeu metade das operações do Shopping Diamond Mall, por R$ 250 milhões. Os outros R$ 160 milhões foram garantidos por meio de naming rights (MRV Engenharia), e venda de cadeiras cativas, com 60% da venda assegurada por outro parceiro do clube, o Banco BMG.

MAIS NOTÍCIAS